Bem vindo ao Blog da Oficina de Atores - Curso de Preparação em Artes Cênicas (oficinadatores.com.br). Acompanhe as postagens e fique por dentro das novidades sobre os cursos da oficina, e sobre as atualidades do mundo do Teatro, TV e Cinema.

 

 

Segunda, 20/03/2017

Oficina de Atores em Goiânia


Para quem mora em Goiânia e tem o sonho de começar na carreira de ator ou atriz de teatro, TV ou cinema, uma ótima opção é começar fazendo um curso de Teatro, onde os alunos recebem aulas de desinibição, quebra de repressão, jogos teatrais para desenvolver a integração com os colegas de elenco nos futuros trabalhos, construção de personagens, improvisação, interpretação de cenas, e outras técnicas de interpretação teatral.

 

Para quem quer fazer uma preparação a nível de curso superior, a Universidade Federal de Goiânia oferece o curso de graduação em Artes Cênicas, com 4 anos de duração, onde o aluno pode escolher duas modalidades: bacharelado ou licenciatura.

 

Para quem está procurando um curso livre, a Oficina de Atores, escola com sede no Rio de Janeiro, tem turmas de teatro em várias cidades, e oferece hospedagem no Rio de Janeiro para alunos de Goiânia e outras cidades. A Oficina oferece um curso completo de Teatro, incluindo a participação do aluno no elenco dos espetáculos apresentados em teatros no Rio de Janeiro, o que ajuda o aluno a formar curriculo de trabalhos como ator, algo fundamental para seguir sua carreira.

 

Para saber como entrar na Faculdade de Artes Cênicas em Goiânia, clique aqui

 

Para saber como entrar no Curso de Teatro da Oficina de Atores, clique aqui

 


 

Quinta-Feira, 16/02/2017

 

Aprendendo a dublar

 

Selma Lopes e alguns dos atores e personagens que já dublouQuem assistiu desenhos e séries na infância não consegue esquecer algumas vozes que ficam marcadas na memória. Quem não se lembra da voz do Scooby Doo, Popeye, Os Simpsons, Chaves, Quico e Seu Madruga?

Essas vozes são de dubladores veteranos que há décadas emprestam seu talento para trazer aos brasileiros as versões em português de atores e personagens estrangeiros. Dubladores como Orlando Drummond (Scooby Doo e Popeye), Selma Lopes (Marge, de Os Simpsons), Marcelo Cataldi (Chaves), Quico (Nélson Machado) e Carlos Seidl (Seu Madruga). O Brasil tem alguns dos melhores dubladores do mundo, com talento reconhecido inclusive no exterior. 

 

Na verdade, o dublador é um ator. Mas diferentemente do ator de TV e teatro, que usa a voz, a expressão corporal e facial para interpretar personagens, o dublador usa apenas a voz.  

 

Isso não quer dizer que seja mais fácil ser dublador do que ser ator. Uma das dificuldades maiores é sincronizar a fala com os movimentos labiais do ator ou personagem de desenho. Além de ter que dominar a técnica de sincronia labial, o dublador também tem que saber atuar, pois ele irá fazer a voz de um outro ator que está interpretando. Portanto, o dublador não é apenas um mero robô lendo um texto. Se não souber interpretar bem, dificilmente conseguirá arranjar trabalhos.   

 

Ter uma boa dicção é importante. Mas não necessariamente o candidato a dublador tem que ter uma voz de locutor do Jornal Nacional. Ter uma "boa voz" é muito relativo para um dublador, pois existem personagens que pedem diferentes tipos de vozes. Seja qual for a voz que você tenha, o mais importante é você saber interpretar bem com a voz que tiver.

 

Nos cursos de dublagem, os alunos aprendem a trabalhar com a voz, a dicção, a sincronia labial e a interpretação. Os curso de dublagem são sempre cursos livres. Não existem cursos técnicos ou faculdades de dublagem, pois não há um registro profissional de dublador. Para trabalhar, o dublador tem que ser ator profissional. Os estúdios de dublagem só aceitam atores com registro profissional.   

 

Rio de Janeiro e São Paulo são as cidades onde se concentram os estúdios de dublagem, e onde são feitas praticamente todas as dublagem brasileiras de filmes, séries, novelas estrangeiras e desenhos.  Também é no Rio e São Paulo que estão os principais cursos de dublagem. Os melhores cursos são os dados por dubladores experientes e em atividade no mercado da dublagem.

 

No Rio, a dubladora Selma Lopes ministra aulas em seu curso em Copacabana. Selma é uma dubladora veterana, com mais de 40 anos de carreira. É a voz da Marge Simpson e a dubladora oficial da atriz Whoppi Goldberg (Ghost, Mudança de Hábito, etc). Contratada da TV Globo desde os anos 70 até hoje, Selma também é atriz, ocasionalmente fazendo participações em programas da emissora. Com mais de 87 anos de idade, Selma continua trabalhando como dubladora até hoje.  Alunos que se destacam no curso são encaminhados pela própria Selma para testes em estúdios de dublagem. Alguns ex-alunos de Selma Lopes hoje em dia são dubladores em plena atividade.

 

Outra dubladora veterana que dá aulas no Rio é Miriam Thereza. Miriam é filha de Oscarito, famoso ator e comediante do cinema brasileiro dos anos 40 e 50 (na época das famosas chanchadas). Miriam é a voz que dublou a Penélope Charmosa, personagem do desenho Corrida Maluca e Os Apuros de Penélope (quem não se lembra dela sempre perseguida pelo Dick Vigarista e seu cachorro Muttley com aquela famosa risadinha...). Também dublou o Piu-Piu em alguns dos desenhos do Frajola e Piu-Piu, e dezenas de atrizes em filmes e séries.


Em São Paulo, o dublador Etore Zuim tem seu curso de dublagem no bairro de Pinheiros. Ettore é o dublador do Batman na trilogia de Christopher Nolan e nos jogos "Arkham Origins" e "Injustice". Dublou o ator Owen Wilson em filmes de Woody Allen, como "Marley e Eu" e "Meia Noite em Paris". Também dublou Xaviax em "Kamen Rider: Dragon Knight", Norm Spellman em "Avatar", Mike Dirnt Groundskeeper Willie em "Os Simpsons", "Hercules", Kwame em "Capitao Planeta", Yakko Warner em "Animaniacs" (primeira voz), e muitos outros trabalhos.

 

Para saber como entrar no curso de dublagem no Rio com Selma Lopes ou Miriam Thereza, ligue para (21) 2235-3105, ou veja neste site.

 

Para o curso de dublagem em São Paulo, ligue para (11) 2384-9557  ou veja neste site.

 



Domingo, Março 16, 2014

 

OficinadeAtores.com.br é a escola que mais produz espetáculos teatrais no RJ e SP

Conforme noticiado na Revista Isso é Brasil deste mês, a OficinadeAtores.com.br é a escola de Artes Cênicas que mais tem montado anualmente espetáculos teatrais no Rio de Janeiro e São Paulo. São mais de 12 espetáculos teatrais por ano, sendo a maior parte no Rio e São Paulo, todas apresentadas em teatros e com produção a nivel profissional ou semi-profissional (na foto ao lado, produções das Oficinas do Rio, São Paulo e Niterói).

Não tenho porque ser modesto e não assumir aqui o mérito de ter sido o mentor dessa idéia de incluir no programa dos cursos de teatro da escola a obrigatoriedade de apresentação de espetáculos teatrais com alunos no elenco. Em 2007, quando eu era o diretor geral da escola, ainda haviam apenas três cursos livres de interpretação na sede da escola, na época com turmas apenas em Copacabana: o Curso de Teatro com Tony Caroll, o Curso de Iniciação Teatral com Rafael Cruz e o Curso de Interpretação para TV e Cinema com Eduardo Fraga.

Nesta época, muitos alunos vinham de outros estados para o Rio de Janeiro para participar do curso intensivo de 1 mês. E comecei então a perceber que a proposta da Oficina podia ser mais abrangente do que apenas oferecer cursinhos rápidos sem comprometimentos mais profundos no sentido de dar ao aluno também a prática da arte de atuar, ou seja, trabalhar efetivamente como ator no elenco de produções. Afinal, qual o objetivo final de qualquer estudante? Trabalhar em sua área, é claro.


Assim, em Setembro de 2007, implantei na Oficina o curso intitulado "Oficina Completa", um curso de longa duração onde o aluno recebe preparação teórica e prática incluindo a participação no elenco de espetáculos teatrais (nas turmas de teatro) e curta-metragens (nas turmas de TV e cinema).

A partir de 2008, começaram a ser produzidos os primeiros espetáculos da Oficina Completa: "Quadrilha", de Jomar Magalhães, e "Aquele que diz sim aquele que diz Não", de Bertolt Brecht, ambos com direção de Rafael Cruz. Porém, antes mesmo destes, o dramaturgo Tony Caroll já tinha escrito e dirigido o Primeiro Festival de Esquetes da Oficina de Atores em 2007, apresentado no Espaço Vitavision em Copacabana, onde os alunos da Oficina de Teatro tomaram parte no elenco. Em 2008 e 2009, a Oficina contou com a força da direção de Jorge Farjalla em espetáculos clássicos como Morte e Vida Severina (de João Cabral de Melo Netto), A Casa de Bernarda Alba (Garcia Lorca), Albúm de Familia (de Nelson Rodrigues), todos com alunos da Oficina no elenco.

Mas foi a partir de 2009 a grande arrancada em direção ao enorme crescimento no nível e quantidade de produções da Oficina, quando os diretores Jair Aguiar e Antonio Netto iniciaram uma parceria para implantar a oficina em São Paulo, e o curso de Teatro passou a direcionar os alunos para o elenco das produções realizadas pela Cia das Artes, dirigida por Jair e Netto.

Em 2009 e nos anos seguintes, a Cia das Artes produziu dezenas de espetáculos com os jovens atores da Oficina no elenco. entre estes espetáculos podemos citar "O Pagador de Promessas" e "A Invasão" (de Dias Gomes), "O Mambembe" (de Artur Azevedo), "Castro Alves Pede Passagem (de Gianfrancesco Guarnieri) , e vários outros, sempre com destaque em meios de comunicação como a Revista Veja, a Globo.com, entre outras.

A partir de 2010, com a implantação da Oficina de Atores - Núcleo Niterói, os diretores Luiz Ancillotti e Caio Togni tem produzido e dirigido vários musicais escritos por eles e com seus alunos no elenco: Verão Interminável, O Império do Sol Nascente, Rebeldia, Conectados, e vários outros, apresentados no SESC Niterói e no Teatro Princesa Isabel (RJ). Todos espetáculos com excelente nível de qualidade quanto a preparação do elenco, cenários, figurinos, coreografias e preparação vocal.

No Rio de Janeiro, os professores dos vários núcleos espalhados pela cidade continuam incansáveis preparando, ensaiando e dirigindo seus alunos nos espetáculos, muitas vezes produzidos por eles mesmos. Daniel Freitas dirigiu seus alunos do Curso de Teatro, Preparação Vocal e Expressão Corporal em vários espetáculos de sua autoria como "Nossos Desencontros", "Muito Rivotril e um dedinho de Lexotan", e outros. Monique Lafond dirigiu o clássico do teatro grego "Lisístrata" de Aristófanes (em 2009, com André Luiz França na co-direção), além de vários Festivais de Esquete, incluindo Festivais específicos com alunos da Terceira Idade (Monique ministra Oficinas de Teatro para idosos a mais de 12 anos). Mesmo a Oficina Infantil levou ao palco em 2011 as crianças do Curso de Teatro dirigido por Rodrigo Rosado e Thiago Cantarelli, no espetáculo "O Grande Pecado de Lampiao e sua Terrível Peleja para entrar no Céu", texto de Joel Rufino dos Santos baseado na literatura de cordel.

Oficinas abertas mais recentemente em outras regiões já estão começando a render frutos no palco: Na Oficina de Teatro no Méier (RJ) dirigida pelo Prof. Silvio Froes, os alunos entraram no elenco da revista musical "Tchaka Tchaka na Butchaka", que reviveu os antigos musicais do teatro carioca dos anos 50/60, em um espetáculo apresentado no Teatro Henriqueta Brieba (RJ) em 2013. Alexandre Gomes, diretor da Ong F.A.M.A. de Nova Iguaçú, dirigiu em 2013 "O Noviço" e "Quem Casa Quer Casa" (de Martins Penna) com os alunos de Nova Iguaçú no elenco. Jomar Magalhães na Oficina de Atores Núcleo Tijuca, estreou neste mes o espetáculo "Ultima Chance". Na Oficina de Brasilia, Alvaro Netto produziu no ano passado o espetáculo "O Coração de Palha", com os seus alunos no elenco, e agora está novamente em cartaz este mês no Teatro Dulcina, de Brasília. Também no ano passado, Lilih Curi, na Oficina de Salvador, dirigiu "Qualquer Semelhança não é Mera Coincidência" e Fabiana Bergamini em Belo Horizonte, produziu com os alunos o espetáculo "Amor...Um Trago a Mais"

Niveo Diegues dirigiu o espetáculo "Enquanto Isso" em 2013 na Oficina de Sorocaba, e este mês reestréia o mesmo espetáculo em São Paulo - capital, dessa vez com o elenco formado por seus alunos da Oficina de São Paulo - Núcleo Pinheiros. Em Campinas, Ronaldo Florentino montou "Auto da Barca do Inferno", de Gil Vicente, o primeiro grande dramaturgo da lingua portuguesa, tendo esse texto quase quinhentos anos de idade, estreado em 1517.

Novas produções estão estreando neste e nos próximos meses, oferecendo aos alunos da Oficina a oportunidade de vivenciarem no palco o prazer único e inesquecível de atuar sob as luzes de uma ribalta, e experimentarem a catarse de pisarem nas tábuas sagradas de um palco.

Que venham as novas produções! Os atores agradecem e a platéia aplaude!


Por Roberto Carelli (contato com o autor)







Segunda, Fevereiro 03, 2014 9:02


Sábias e eternas palavras de Shakespeare




Por Roberto Carelli (contato com o autor)







20 Nov 2013 01:05

ATOR DA OFICINA DE SP ENTRA NO ELENCO DE PROGRAMA DA GLOBO

O ator Magno Bandarz (foto ao lado), da turma de teatro na Oficina de Atores de São Paulo (Consolação) entrou para o elenco principal do programa "Pé na Cova" de Miguel Falabella, exibida pela TV Globo.
Magno interpreta o personagem Clécio (ver ao lado na matéria do jornal O Globo).

Magno estudou na Oficina da Consolação em 2009, tendo participado dos primeiros espetáculos produzidos pela Oficina em São Paulo, em parceria com a Cia das Artes, dos diretores Jair Aguiar e Antonio Netto. Os espetáculos foram “O pagador de promessas”, “O mambembe”, com direção de Jair Aguiar e “Corrida ao caos”, com direção de Antônio Netto.

Jair e Netto coordenam o curso de teatro na Consolação desde 2009, já tendo produzido dezenas de espetáculos com elenco formado por atores das turmas de teatro da Oficina de São Paulo, onde os alunos são preparados ao longo de um período de vários meses, com aulas de teatro e participações em espetáculos teatrais produzidos pela Cia das Artes, dirigida por Jair e Netto. Ao final do curso, os alunos estão aptos a apresentarem ao Sindicato dos Artistas o material de trabalhos realizados durante o curso, e solicitarem o DRT (registro profissional). Recebendo o DRT, o ator passa a poder trabalhar como profissional na TV, cinema e teatro.

A Oficina de Atores deseja muito sucesso ao talentoso ator Magno Bandarz em seu trabalho na Globo, e parabeniza os professores Jair Aguiar e Antonio Netto pela excelente qualidade do trabalho de ensino teatral que estão realizando na Oficina de Atores em São Paulo.
 


Acima, matéria publicada no Jornal O Globo sobre a atuação do personagem de Magno Bandarz no programa "Pé na Cova", de Miguel Fallabella, que está sendo exibido na TV Globo
 
 

postado por Roberto Carelli em 20 Nov 2013 01:05







Segunda 7 Out 2013 15:05



Seleção de atores no Rio de Janeiro para trabalho em video


Compartilhado por James Hall (via Facebook)

Precisamos de 2 atores para fazer uma cena (pequena) do carnaval (de rua).

Gravaríamos umas cenas de vocês dentro de um bloco, e umas falas na rua, afastado da multidão. É para um curso de Português para estrangeiros.

Pretendemos gravar quarta ou quinta feira (agora).

Cache $R100

Homens de 18-28 anos de idade.

Contato: james@semantica-portuguese.com

Clique aqui para compartilhar no seu Facebook







Outubro 7, 2013 15:05


Palmas para Ênio Gonçalves


No ultimo Sábado, 5 de Outubro de 2013, partiu o ator Ênio Gonçalves. Ênio foi professor do curso de TV em São Paulo desde 2011, ministrando aulas com Mara Faustino, sua companheira de trabalho e de vida durante 26 anos.
Sempre que perdemos um professor de nossa equipe, é um momento de tristeza, não somente pela perda do profissional que faz parte de nossa equipe, mas também porque inevitavelmente se criam laços de respeito, admiração e amizade.
Foi por esses laços que se criam que sentimos quando faleceu o cineasta Alberto Salvá em 2011, e foi assim com o nosso saudoso e querido Paulo Gil em 2012. Agora, com a notícia da partida de Ênio Gonçalves no Sábado, sentimos novamente essa tristeza, compartilhada pelas centenas de alunos e pelos colegas de profissão que igualmente admiraram e respeitaram o trabalho desse artista durante sua vida.
Ênio Gonçalves deixa um rastro na memória de quem o conheceu. Um rastro de carinho, respeito e admiração, pela sua seriedade, pela sua gentileza no tratar com os outros, e principalmente pela paixão com que se dedicou à arte de atuar nos mais de 50 anos de carreira de teatro, TV e cinema. Conforme a própria esposa nos relatou, até os ultimos momentos de vida, Ênio não conseguiu se desligar de seu ofício de atuar, e já muito debilitado pela doença que o consumiu nos ultimos tempos, tendo acabado de sair do hospital, fez questão de imediatamente ir trabalhar como ator em um curta-metragem.
Vejam como a paixão do artista verdadeiro é algo tão profundo que, nem quando o corpo não tem mais nenhuma condição de permitir nada, a paixão pela arte é tanta, que essa mesma paixão resgata forças já perdidas pelo corpo físico, mas que ainda existem no corpo espiritual, esse que é o cerne e a fonte de todos os nossos pensamentos, paíxões e energias que nos move ao longo da vida em busca de cumprir aquilo que consideramos nossa missão aqui na terra.
E como é lindo e comovente ver este momento, em que um artista arranca de dentro de si o derradeiro frêmito de paixão pelo que ama, pela sua arte, para não deixar de concretizar pela ultima vez aquilo que considera a sua MISSÃO aqui nesta terra, que é levar a arte para os outros, transmitindo sua mensagem de vida através de seu ofício de atuar.
Todos nós da equipe da Oficina queremos deixar aqui nossas palmas para Ênio Gonçalves. Palmas de gratidão por ter abrilhantado nossa escola com seu talento e seu profissionalismo. Palmas de admiração pelo artista e homem que foi. E Palmas de comoção por saber que agora, Ênio, sua missão não acabou. Vai continuar, em outras esferas. Estas, eternas.
Até um dia, Ênio!

Por Roberto Carelli (contato com o autor)






Quarta, Agosto 14, 2013


Lima Duarte diz que novos atores de novelas precisam "aprender a falar"

"Hoje se fala muito mal na televisão. Esse naturalismo de consumo (estilo de interpretação dos atores nas novelas atuais) é uma coisa muito irritante. Precisa aprender a falar, a empostar a voz", declarou o ator Lima Duarte em um debate promovido em agosto de 2013 para a comemoração no Festival de Gramado dos 30 anos do lançamento do premiado filme "Sargento Getúlio", protagonizado por ele.
Lima Duarte, além de ser um dos maiores atores brasileiros, foi também um dos maiores dubladores do país, tendo criado vozes inesquecíveis para personagens de desenhos de Hanna Barbera, como Manda Chuva, o crocodilo Wally Gator, o cachorro Dum Dum do desenho "Tartaruga Touché," e tantos outros sucessos dos anos 70 que a criançada da época - agora adultos - não esquece até hoje.
Falando com a autoridade de um ator com experiência em teatro, rádio, dublagem , filmes, novelas e tantas atividades as quais se dedicou ao longo de sua prolífica carreira, Lima Duarte lembrou durante o debate a importância da voz para a carreira de um bom ator, e observou que "hoje se fala muito mal na televisão(....) Esse naturalismo de consumo é uma coisa muito irritante. Precisa aprender a falar, a empostar a voz" (...) Existem atores, como a Fernanda Montenegro... Que voz poderosa! Quantos sentimentos ela passa com a voz. É um elemento fundamental ao qual atores têm tergiversado. É necessário aprender a falar. Ou reaprender".
Realmente Lima Duarte está certo. As emissoras de TV brasileiras abandonaram o estilo clássico de interpretação no qual se formaram atores como Lima Duarte, Fernanda Montenegro, Laura Cardoso, Paulo Autran, Sergio Brito e outros grandes nomes da dramaturgia brasileira, e que são - ou DEVERIAM SER - modelos para todos os novos atores ou aspirantes a atores de TV. De uns 25 anos para cá, notadamente depois da morte da escritora Janete Clair - a grande autora de novelas da Globo nos anos 70 - , a tendência da TV brasileira foi abandonar as novelas com histórias do tipo "tele-lágrimas" e passar a temas e roteiros com diálogos e assuntos mais leves e alegres - e fatalmente mais superficiais, não deixando novos atores terem um campo para exercitarem técnicas mais profundas de interpretação.
Daí, com o passar dos anos, o público e os próprios atores mais novos que foram iniciando a carreira, se acostumaram a somente interpretarem com esse estilo naturalista que Lima Duarte reprova. A forma de representar típica dos anos 60 e 70 em novelas e filmes agora é considerada pela indústria da mídia como uma coisa brega e antiquada. Mas o que para as novas gerações ou para a indústria do entretenimento de massa pode ser ultrapassado, para profundos conhecedores da dramaturgia tradicional - como Lima Duarte - é a forma correta de interpretar, o chamado estilo clássico.
Para quem não sabe, existe uma definição técnica para os estilos de interpretação. O ator ou atriz quando chega na frente da câmera, não pode apenas sair fazendo o que lhe passa pela cabeça como se estivesse em casa cantando no chuveiro. Existem técnicas a serem seguidas, e um ator só é realmente considerado bom se tem conhecimento destas técnicas - mesmo que não as aplique para este ou aquele papel.
Basicamente, os dois estilos de interpretação definidos academicamente são o o naturalismo e o estilo clássico. O naturalismo é um estilo de interpretação onde o ator deve representar o personagem de forma mais próxima do “real”, ou seja, de como as pessoas falam e agem na vida real, sem técnicas usadas na interpretação clássica, como impostação de voz, gestos e expressões faciais e corporais calculadas, e outras técnicas utilizadas principalmente no teatro. As novelas e programas de TV brasileiros atualmente utilizam este estilo, diferente das novelas dos anos 60 e 70 (época em que Lima Duarte estreou na TV), quando os atores eram na maioria provenientes do rádio e do teatro, e o padrão era usar o estilo clássico de representação.
Lima Duarte está certíssimo. Na verdade, nos tempos atuais, um ator só pode ser chamado de completo se é preparado para representar tanto no estilo naturalista como também o clássico. Caso só tenha capacidade de representar o estilo naturalista, terá problemas quando for interpretar personagens de época ou outros que exijam modificações na impostação de voz ou expressões faciais e corporais diferentes de sua forma natural de se comportar na vida real.


Por Roberto Carelli (contato com o autor)







Domingo, Junho 23, 2013


Alunos da Oficina podem dançar

Muitos alunos não sabem, mas há vários anos a Oficina tem parcerias com Escolas de Dança e Espaços culturais. A primeira parceria foi em 2007 com o Espaço Cultural Ópera Brasil, dirigido pelo famoso empresário teatral Fernando Bicudo e o bailarino João Paulo Machado na Fundição Progresso, no Rio de Janeiro. Foi a filosofia de trabalho do Espaço de Bicudo e Machado, que criaram um projeto de um espaço voltado para a formação completa de artistas, que inspirou a Oficina na criação da "Oficina Completa", um programa de cursos que visa uma preparação completa do aluno como ator, e como e artista, num sentido mais amplo.
Lembrando que um ator completo não é o que apenas sabe atuar, mas também tem noções de canto e dança, principalmente no Brasil onde os musicais de teatro estão fazendo tanto sucesso, inclusive trazendo mega-produções da Broadway adaptadas por renomados diretores teatrais brasileiros como a dupla Charles Moeller & Cláudio Botelho, e Miguel Falabella, que atualmente fazem um estrondoso sucesso no país com produções musicais. Claro que nestas produções, os atores são escolhidos a dedo após rigoroso processo de seleção onde concorrem as vezes centenas de candidatos, que são testados não só em atuação, mas também com testes de canto e dança.
Portanto, um ator ou atriz que quer aumentar as chances de conseguir trabalhos, deve ter uma formação a mais completa possivel na área artistica, não só interpretando textos, mas também em outras habilidades que o teatro atual exige. O que inclui a dança.
Os alunos da Oficina tem a opção de incluir também aulas de dança no programa do curso de formação de atores. As aulas de dança são dadas por dançarinos e professores com vários anos de experiência, em escolas de danças com as quais a Oficina tem parceria, no Rio, Campinas, Belo Horizonte, Sorocaba, Jundiaí, Salvador e Porto Alegre. A Oficina escolhe a dedo as Escolas de Dança com as quais tem parceria, de acordo com quesitos como qualidade, seriedade e organização.
Desde Maio de 2011, as aulas de teatro da Oficina em Belo Horizonte são na Cia da Dança, dirigida pelo dançarino Wander Borges. A Cia da Dança tem cursos de Dança de Salão
Em Campinas, as aulas da Oficina são na Academia de Ballet Juliana Omati.
Em Sorocaba, a Oficina tem parceria com a Academia de Ballet Gislene Modesto, onde são dadas as aulas do Curso de Teatro com o professor Niveo Diegues.
Em Porto Alegre, a oficina tem parceria com a Escola de Dança de Salão Carlos Oliveira, no Bonfim, onde são dadas as aulas de Teatro.
No Rio, a Oficina tem parceria com escolas de dança em vários bairros: em Copacabana, a Academia de Ballet Marilda Flores, o Studio de Dança Marquinhos Copacabana e com a Mac Danças, do Prof. Marlos Costa . No Méier, as aulas da Oficina de Teatro do Prof Sillvio Froes são no Espaço Dharma
Também em 2012, o professor Niveo Diegues começou a primeira turma de teatro da Oficina em Jundiaí, no Studio La Danse, que tem cursos de balé clássico e contemporâneo, Dança do Ventre, Sapateado, Flamenco, Jazz, Street Dance, Tecido Acrobático e inclusive cursos de dança para alunos com deficiência.
Se você é aluno da Oficina, e gosta de dançar, não perca a oportunidade de fazer aulas de dança em um dos espaços citados acima.


Por Roberto Carelli (contato com o autor)





Terça, Janeiro 17, 2013

Selma Lopes abre seu curso de dublagem em Copacabana

2013 traz uma grande novidade na Oficina: no dia 24 de Janeiro começa em Copacabana o curso de Dublagem com Selma Lopes (foto a direita).

Selma é considerada como uma das mais importantes dubladoras brasileiras, veterana com mais de 50 anos de carreira como atriz e dubladora. Só para voces terem uma idéia, ela dublou a primeira versão brasileira do clássico desenho "Pinóquio" de Walt Disney, nos anos 50 (ela era a voz da Fada Azul, e do próprio Pinóquio quando cantava).

É mais fácil perguntar o que ela não dublou, porque são tantos papeis em filmes, desenhos e novelas estrangeiras, que fica difícil listar tudo em um lugar só. Mas para ficar mais fácil, citando os papéis que todos lembram, ela é a dubladora oficial da atriz Whoopi Goldberg (a vidente de Ghost, e a freira maluca-beleza de "Mudança de Hábito"), e foi a dubladora da Marge no desenho Os Simpsons. Também dublou em Harry Potter, Duck Tales, A Usurpadora (novela), Os Waltons, Aristogatas, Pocahontas, Mary Poppins, e muitos outros trabalhos.

Agora, Selma abre sua turma de dublagem realizada aqui na Oficina de Atores em Copacabana. Quem quiser saber como se inscrever, é só ver as informações no site www.oficinadeatores.com.br/cursodedublagemselmalopes.html

Agradecemos a atriz Monique Lafond, que foi quem nos deu a idéia de convidar essa importante profissional da dublagem para nossa equipe. Monique está trabalhando atualmente com Selma Lopes no elenco do espetáculo "Mario Quintana - o poeta das coisas simples", que está viajando pelo Brasil.

Seja bem vinda, Selma Lopes!


Por Roberto Carelli (contato com o autor)


Postado 17 de Janeiro de 2013 as 11:01 PM






Domingo, Novembro 18, 2012

Fim do espetáculo - por Daniel Freitas


 

 

Daniel Freitas fala sobre os sentimentos que a platéia lhe passa no fim do espetáculo. Ele está em cartaz no Rio com o espetáculo "Sobre nós dois", como já informamos para vocês no post anterior aqui no Blog da Oficina.

"Fim do espetáculo. Meu foco são as expressões. Será que gostaram? Será que se emocionaram? Ou foi entediante? Me esforço para ler os mais variados rostos.

Os aplausos acabam e o vejo. Ele está lá. Não o conheço, a equipe não o conhece, mas ele e seus olhos estão lá. Sua lágrima, por mais que tente, não consegue segurar. Feliz de mim que seu corpo não o obedece, não desta vez.

O que o fez chorar? Aperta a minha mão. Com muita dificuldade por causa da emoção, me dá os parabéns e diz um sutil – 'muito bom'.

É isso que me faz estar lá. Doando o meu ser a este ato sagrado que é o encontro da arte com o intimo do ser.

Obrigado por suas lágrimas que encheram meu corpo de alegria, conforto e esperança."

Daniel Freitas

Por Roberto Carelli (contato com o autor)







Sexta, Novembro 2, 2012


Novembro na Oficina

Este mes de Novembro vem com várias estréias de espetáculos com alunos ou professores da Oficina no elenco. No Rio de Janeiro, estréia hoje "Sobre nós dois", texto de Daniel Freitas com o próprio Daniel no elenco, contracenando com o ator Fabiano Bernadelli. Trilha sonora de Sérgio Pascolato e Felipe Dias. Cenários e Figurinos de Jan Macedo e Caio Braga. Direção de Marcelo Aquino. O espetáculo fica em temporada até 2 de Dezembro no Teatro Solar de Botafogo.
 





Na Quinta dia 8 as 21 horas estréia em no Teatro Coletivo em São Paulo a nova montagem de "O Mambembe", de Arthur Azevedo, produzida pela Cia das Artes, que nos últimos anos sempre tem montado este espetáculo clássico do teatro brasileiro, e sempre com a participação de jovens atores preparados no curso de Teatro da Oficina na Consolação, dirigido por Jair Aguiar e Antônio Netto. Esta montagem não será diferente dos outros anos, e será uma ótima oportunidade para quem ainda não viu os atores da Oficina paulistana atuando ao vivo. Mais informações em www.teatrociadasartes.com.br/em-producao/meus-senhores-aqui-lhes-apresento/





No Rio, o escritor teatral Jomar Magalhães, que é professor da Oficina de teatro na Tijuca, estará dirigindo seu texto teatral de maior sucesso: "Quadrilha", baseado no famoso poema de Carlos Drummond de Andrade (João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém) . Jomar transformou o poema numa tragicomédia que tem sido encenada em várias cidades do Brasil por vários grupos teatrais, e até mesmo no exterior (em Portugal). A OficinadeAtores.com.br já montou este espetáculo em 2008 e 2009 com a direção de Rafael Cruz. Agora o próprio autor está à frente da direção de "Quadrilha", que estréia dia 17 no Teatro Princesa Isabel, em Copacabana (informações no cartaz acima).






Em 8 de Novembro, Monique Lafond e André Luiz França estarão dirigindo seus alunos da Oficina de Teatro no espetáculo "A eterna luta entre o homem e a mulher", com texto criado coletivamente pelos alunos e professsores. Apresentação única no Teatro Henriqueta Brieba, as 20 horas.

 



Os alunos da Oficina de Niterói estão no elenco de duas estréias desse mês: "Rebeldia - o Despertar da Juventude" e "Coração Partido". Na direção, os professores de Niterói: Luiz Ancillotti e Caio Togni. Os espetáculos estréiam no SESC Niterói (Coração Partido no dia 9 e Rebeldia no dia 14).
O SESC Niterói fica na Rua Padre Anchieta, 56 - Centro - Telefone (21) 2719-9119.



Por Roberto Carelli (contato com o autor)






Sergio Hondjakoff (Cabeção da Malhação) em Brasilia

Hoje estréia "Sobre nós dois", espetáculo de Daniel Freitas, no Teatro Solar de Botafogo. Daniel está à pleno vapor escrevendo, atuando e claro, dando aulas em suas Oficinas de Teatro.

Agora mesmo ele acabou de chegar de Brasilia, onde ministrou uma Oficina Intensiva de Teatro e TV, e onde os alunos tiveram uma experiência difícil de se ver: no ultimo dia de aula tiveram a oportunidade rara de contracenarem com o ator Sérgio Hondjakoff (o "Cabeção" da Malhação, quem não lembra dele, não é?). Daniel escreveu e dirigiu as cenas, e o Serginho presenteou as meninas da turma da Oficina com mais uma de suas interpretações divertidas (ele interpretou o namorado de cada uma). Pra quem assistia o Cabeção na novelinha jovem Malhação, da TV Globo, foi um verdadeiro revival do personagem, com seu jeito atrapalhado e cômico de conversar com as garotas. As alunas, é claro, adoraram.

O Serginho, por sinal, não está parado não. Foi lançado há alguns meses o site pessoal dele (sergiohondjakoff.com.br), e breve será lançado o seu portal, o Clube do Serginho, que promete trazer entrevistas do Sergio com celebridades e matérias muito loucas apresentadas por ele, mas também muita cultura e informação. É esperar pra ver.

Enquanto o portal do Serginho não é lançado, vamos curtir as imagens dele na Oficina em Brasilia com as alunas no Domingo passado.




Na foto acima, Sergio e uma aluna durante a cena da discussão dos namorados. Tudo foi filmado, com Roberto Carelli (de branco) na direção de câmera, Daniel Freitas na direção geral e Matheus Barros na produção.
 



Acima, Sergio Hondjakoff  interpretando um namorado revoltado na cena escrita por Daniel Freitas para a Oficina de TV em Brasilia

 

 

 



Serginho contracenando com uma aluna da oficina de TV em Brasilia

 

 




Sergio Hondjakoff (de azul) e Daniel Freitas (de vermelho) com as alunas da Oficina de TV em Brasilia.

 




Sergio Hondjakoff (de azul) e Daniel Freitas (de vermelho) com as alunas da Oficina de TV em Brasilia.


Por Roberto Carelli (contato com o autor)







Para começar...


Hoje 2 de Novembro de 2012 estamos lançando o blog da OficinadeAtores.com.br.. A Oficina, que em Janeiro comemora 6 anos, tem sempre muitas novidades para seus alunos, ex-alunos e amigos, não só sobre cursos, mas também sobre espetáculos, filmes, eventos, oportunidades para atores, notícias do mundo da arte, cultura e mídia... enfim, todo esse universo em que nossa oficina atua e participa. Por isso, achamos que estava na hora de lançar um espaço na internet para publicar as novidades da Oficina (que sempre são muitas) e também receber comentários do pessoal que nos acompanha nesses 6 anos de trabalhos.
Afinal, a Oficina não é somente um curso. Ela também tem produzido nos ultimos anos dezenas de trabalhos teatrais, de video e cinema com alunos, e com profissionais, seja produzindo diretamente, seja apoiando a produção, mas sempre focada no objetivo que teve desde o ínicio, que é estimular a produção de cultura e trabalhos na área de artes cênicas e mídia, e dar oportunidades a jovens talentos que tem se revelado ao longo dos anos em nossas turmas.

Sejam bem vindos a nosso blog, contamos com seus comentários, mensagens e sugestões.

Atenciosamente

Roberto Carelli (produção)
www.oficinadeatores.com.br

 

 

 


 

 



 

 

 

 
- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -